sábado, 24 de outubro de 2015

Voltas!...

Volteios nas palavras,
Troces e retorces,
Valendo tua verdade,
Nada mais importa
Nos retorcidos volteios,
Da imposição velada,
Do querer ver já gasto
Fechado portão onde
Constantemente procuras
Por meias verdades assumidas
Abalas todo o muro que a suporta
Fazendo pender de novo a corda
Enlaçada na figueira
Desperto os espíritos
Os fantasmas que este portão encerra
Soltos na noite que se abateu em mim!

Sírio Andrade®
In: Antologia Depressiva