domingo, 22 de novembro de 2015

MONDE, WORLD, VASTO MUNDO!



 
 
 
Mundo mundo vasto mundo,

devastado, moribundo,

mundo imundo, mundo cão.

 

Mundo mundo vasto mundo

se eu me chamasse Raimundo

não mudava nada não.

 

Pois, desde que o mundo é mundo,

tudo, no fundo no fundo,

é uma questão de questão.

 

Mundo mundo furibundo,

contra Deus e todo mundo.

Guerra! Gana! Danação!

 

Mundo infecto, infecundo,

mundo pequeno, rotundo,

mundo cruel, mundo vão!

 

Se o Amor não muda o mundo. . .

Ai! Se a dor não muda o mundo. . .

O que muda o mundo então?

 

Mundo mundo tremebundo,

belicoso e iracundo,

até quando essa aflição?

 

Paz é coisa do outro mundo?

Só nosso ódio é profundo?

Sofrer é nossa missão?

 

Mundo mundo vasto mundo,

nauseado, nauseabundo,

mundo raso e sem razão!

 

Quando? Quando um” lindo” mundo?

Só depois do fim do mundo. . .

da derradeira explosão???

 

PAULO MIRANDA BARRETO  19/11/2015

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.