sábado, 17 de outubro de 2015

Soneto





Oh...Meu Amor

Oh vida que me traz dor
Das chamas por ti consumida
És o tu de meu amor
Arde e queimas em vida

Fogo em meu coração prostrado
Rolando pedras enrijecida 
Pelo caminho desencontrado
Girando pedreira endurecida

Do fogo em que se tornou abrasado
Deixas-me morto em vida que à ti imploro
Provas de amantes em leito encontrado
Por sentimentos sofro e choro

Oh...Meu amor
Chegas em luz que te adoro
Bela em jardim a colher flor
À ti por amor e que imploro

Ouça-me e diga-me que me amas
Entrega-me sua vida
Que por amor ânsia e clamas
És fragrância por amor embebecida...

               Poeta do Sertão
                   18-10-2015