sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Entrevista com Hugo Paz


Escritor: Hugo Paz





O Diário dos Escritores entrevista o escritor: Hugo Paz.
















Diário: Nome, pseudônimo, data de nascimento e cidade natal.
Hugo Paz: Hugo Rodrigues Silva Paz
Hugo Paz, nascido no dia 29 de Abril de 1987 na cidade de São Paulo, filho de mãe mineira e pai               paulista.

Diário: Quando surgiu o interesse por literatura?
Hugo Paz: Quando fui incentivado por amigos a ler gibis e livros infanto-juvenis, devia ter uns 9 anos         de  idade

Diário:Qual gênero tem mais apreço?
Hugo Paz: Filosofia,antropologia, história,sociologia ,autobiografia, psicologias, romance e poesias.

Diário:Pratica outro tipo de arte? Pinturas, desenho, escultura, etc..
Hugo Paz:Bom arrisco fazer uns grafites e uns desenhos abstratos e surreais, de vez em quando toco           um pandeiro, violão cheguei há tocar um tempo, mas penso em voltar a brincar um pouco rsrsrs,                   performance também é um componente artístico que pratico.

Diário: Tem livros publicados e quais os títulos?
Hugo Paz: Participei de 3 antologias poéticas:
Câmara brasileira de jovens escritores-54ª edição
Projeto literário Delicata-poesias, crônicas e contos.
Aniversário de 25 anos da sociedade dos poetas de Vila Prudente
Obras de minha autoria:
Minhas eternas poesias, Poesias da verdade, Rastros de palavras, Para desenhar outros fatos e                     Retratos de um cotidiano adormecido.

Diário: Teve algum tipo de dificuldade para publicá-los?
Hugo Paz:: Sim e muitas, pois arquei com a editoração, distribuição e divulgação, foi bem na raça               mesmo, com a garra e a coragem estampadas.

Diário: Pretende seguir a carreira literária ou tem outros planos?
Hugo Paz:m pretendo seguir com essa carreira, e quem sabe um dia entrar numa grande editora,                 também pretendo terminar meu curso de Artes Visuais, depois fazer uma pós-graduação em educação         social, e trabalhar como arte educador.

Diário: Qual país gostaria de conhecer e por quê?
Hugo Paz: Argentina, porque tenho o sonho de um dia participar de algum evento literário lá e                   divulgar meu trabalho, gosto da cultura da América do Sul, ouvir um tango e tomar uma cerveja                   quilmes, conhecer a Labombonera, Buenos Aires, é uma país que me atrai bastante.

Diário: Pratica algum tipo de esporte?        
Hugo Paz: Por enquanto só caminhada mesmo, rsrsrs,mas gosto de correr, já joguei bastante um               tempo, e quem sabe um dia não volto não é, rsrsr?

Diário: Trabalharia como voluntário ajudando jovens a ingressarem no ramo literário?
Hugo Paz: Sim com certeza, esse seria um projeto de vida, e incentiva-los a gostarem da leitura e               mostrar o quanto ela é transformadora na vida do ser humano.

Diário: Como encara a situação dos refugiados, acredita que eles vieram por um acaso ou para somar à nossa cultura?
Hugo Paz: Encaro como uma situação de necessidade, pois nosso país tem uma cultura de                           acolhimento em relação a outros povos e culturas.
Acredito que eles tem muito a somar com suas tradições, costumes, visão de mundo e sociedade, sua         arte, sua cultura.

Diário: Como encara a situação artística de nossos nordestinos que mal sabem ler e escrever e mesmo assim produzem obras-primas de excelente qualidade a ponto de ser apreciadas até mesmo no exterior?
Hugo Paz:Vejo a cultura nordestina como uma das mais essenciais, pois elas agregam muito de nossa         raiz cultural, nossa história, nossas origens, eles introduzem em sua arte o elemento da sabedoria                 popular, o repente, baião, cantigas, folclore, isso é Brasil, é uma das artes mais comoventes do                    mundo.


Diário: Cite um autor brasileiro e um estrangeiro que tenha certa admiração.
Hugo Paz: Lima Barreto e Liev Tosltói

Diário: Qual seria o livro que o Hugo Paz se presentearia hoje?
Hugo Paz:: Cem anos de solidão do autor Gabriel Garcia Márquez.

Diário: Diga, com poucas linhas, quem é o poeta Hugo Paz.
Hugo Paz: Um guerreiro que semeia por respostas, que busca sempre o novo, a realização de coisas         boas, um ser que acredita no impossível, que luta a cada dia para superar os obstáculos que a vida               coloca em seu caminho, um jovem a desvendar os mistérios que o cercam.