sábado, 24 de outubro de 2015

Ama-me À Luz do Abajur





Ama-me assim com pouca luz
À chuva fina no telhado
Nossos corpos molhados
É a paixão que nos conduz

Chuva amena silenciosa
Encantado ao ouvir
O seu tilintar de forma harmoniosa
Chuva fina que mal se faz notar

Caia sobre nós chuva sedutora
Venha alagar este meu velho coração
Com amor carinho e sedução
Quero contigo viver esta louca paixão

Faça-me em ti transbordar de emoção
Perpetua-me em seu meigo coração
Somos feitos de carinhos e sentimentos
Nos realizamos a cada instante a cada momento

Ama-me a luz do solitário abajur
Traga-me a sua realidade,em seus 
Braços faça-me o mundo esquecer
Me conforte com este seu esplendor
Transforma-me com este seu impulsivo amor...



                 Poeta do Sertão
                     24-10-2015