quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Ama-me ou...


Ama-me ou...
Deixa-me fingir que sou tua mulher, só por hoje... 
Quero sentir tuas mãos levantarem o pano de meu vestido antigo e alisarem meu corpo, já o dia todo sem peças intimas numa espera sem fim e ao mesmo tempo medrosa, pois uma dona de casa nunca sabe o temperamento de seu marido antes dele chegar em casa.
Em tal fingimento, quero sentir teu hálito quente de aguardente, pingando os olhos de cansaço por um dia todo de trabalho, mesclar-se em mim. Fingir que me foi fiel o dia todo, ou o dia inteiro... Depois servir teu jantar, deitar-me ao teu lado com uma das mãos alisando meu sexo enquanto você, sem nexo, fingi dormir...

24/03/2008