terça-feira, 14 de junho de 2016

"CORTA-ME NAS VEIAS"





Corta-me as veias 
Banhe-me em cor vermelha
Ainda que na escuridão aja uma centelha
Abram-se a mente trinque-se as telhas

Corta-me as veias
Transforma-me em oceano
Tinja-se este corpo em purpuro 
Corta-se a carne como ao pano

O perfeito ou imperfeito
Torre de pisa e seu perfeito inclinar
Um campanário de beleza singular
Corta-se as veias
Mas pode o poeta na arte de sonhar

Corta-se o tempo 
Eleva-me ao mundo da imaginação
Corta-se as veias 
Mas não retire o coração 
Deste pobre criador de ilusão...


                   Poeta do Sertão
                       14-06-2016