sexta-feira, 11 de março de 2016

Morbida Certeza

Mórbida certeza!
 
Consciente da minha condição,
Nasci, hoje ou amanhã morrerei,
Não há forma ou consternação,
Pura verdade, certeza natural,
A vida foge-me por entre os dedos!
 
Assim sem agravo, parar para quê?
Sim um dia não estarei mais aqui,
Então? Viverei cada dia como o ultimo fora,
Cada segundo, cada minuto,
Contigo, convosco, cada minuto conta,
Tristezas, depressões, solidão?
Na morte as encontrarei,
Na imobilidade dos tempos,
Vivo, na graça de saber que a vida não é minha,
Não tenho o poder de a dar, de a prolongar,
Sou, mortal, na condição assumida de aproveitar,
O bom que a vida me dá, que é viver!
 
Alberto Cuddel