sábado, 13 de fevereiro de 2016

"TUAS MÃOS"



Tuas mãos 
Por estas terras calejadas
Como picos mal tratadas 
Por cabos de enxadas

Mãos calejadas
Herança das terras
Lá do sertão
Calos em forma de torrão

Quantas terras sertanejo
Estas belas mãos tombaram
Esta terra empoeirada 
Suas feições por ela marcada

Tuas mãos
Sofridas discriminadas 
Lagrimas de dor
Este chão...A recolher

Mãos que lidaram 
O chão que te acariciaram 
O marrom do pó
Maquiando teu rosto tão só

Chão batido...Poeira no ar
O sertanejo solitário
A terra esta ressecada 
Nem o vento vem soprar 

As veias grossas de suas mãos
Mais parecem cordão
Em seus braços a se desenhar
Revela o abandono em que estas

Sertanejo esquecido
Chamas sofrida da vida
Repousa te corpo
Ao cair da noite 
Em calor cortante...Como acoite

Alimentas...Esperanças
Nesta injusta solidão
Seu esquecido chão
Marcando a vida em suas mãos


              Poeta do Sertão
                 13-02-2016