sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Projeto Pegaí - Leitura Grátis
































Projeto Pegaí - Leitura Grátis

Desde há alguns anos que venho acompanhando vários projetos literários promovidos por pessoas que não possuem vínculos com entidades governamentais. E tais projetos vem vingando com tal êxito que sempre acabam fazendo com que outras pessoas passem a agir da mesma forma, com ideias novas, atitudes novas e é claro usando o bom senso acabam divulgando aquilo que parece ter vindo para ficar.
Não se sabe ao certo, pelo menos eu não tenho conhecimento algum, quem foi a primeira pessoa a projetar e a por em prática os muitos projetos literários que conhecemos nos dias de hoje. Podemos até por agradecimento, dar tal crédito àquele que um dia emprestou um livro e nunca mais o teve de volta ou se o recebeu continuou a emprestá-lo. Já há algum tempo vem acontecendo as famosas Leituras nas Praças, Encontros com Autores e muitas outras formas de levar ao leitor a acessibilidade da leitura.
Dificilmente um órgão governamental teve êxito com algum de seus projetos literários, exceto é claro as bibliotecas.
Parece-me que quando uma pessoa engajada encontra outra no mesmo naipe, tudo tende a dar certo. Tomo como exemplo o projeto PEGAÍ coordenado pelo professor universitário Idomar Cerutti, que junto a um grupo de voluntários conseguiram fazer milhares de leitores terem o prazer e a facilidade de terem em mãos grandes obras primas da literatura de uma forma simples e sem toda aquela burocracia que as bibliotecas exigem, é claro que se elas não tivessem tal exigência poderia virar bagunça.
O Projeto Pegaí trabalha da seguinte forma: em vários pontos da Cidade de Ponta Grossa no Paraná há diversos pontos de coleta e empréstimos de livros usados e novos.  O leitor simplesmente escolhe um livro, leva-o e o devolve quando acabar de ler. Na devolução do livro o leitor também pode doar um exemplar. Tudo isso sem precisar fazer cadastro. O Projeto recebe doações de várias partes do país, tanto de leitores quando de autores. Boa parte dos doadores são: editoras, autores anônimos, autores consagrados e faculdades.
Para quem quiser fazer parte deste maravilhoso projeto, sugiro que leia a matéria a seguir, tire uma conclusão do assunto e decida.
Antes de mais nada, muito obrigado a todos os colaboradores voluntários e aos organizadores deste projeto que promete crescer a cada dia.
20/11/2015



Idomar Cerutti - Coordenador do Projeto Pegaá


Olá, meu nome é Idomar Cerutti, sou professor universitário e coordenador de um projeto de incentivo à leitura em Ponta Grossa-PR, chamado "Pegaí - Leitura grátis". 
Nós recebemos a doação de livros de literatura (novos e usados) e disponibilizamos para os leitores em locais públicos (criamos eventos itinerantes para isso e temos parceiros que cedem o espaço físico de seu estabelecimento/empresa para mantermos estantes permanentes). 
Os leitores não precisam fazer registro algum no projeto. Quando a pessoa tem interesse em algum título, basta pegar na estante, levar para casa, ler e devolver, da mesma forma que acontece em uma biblioteca comum. Para a devolução, temos pontos de coleta espalhados por toda a cidade. 
Estou escrevendo porque gostaria de convidá-los a participar do nosso projeto doando alguns exemplares de livros para que possamos aumentar nosso acervo.


CONHEÇA O PROJETO!
Fotos por: Idomar CeruttiAs crianças já aderiram a Proposta do Pegaí.
Registro da Pegada Cultural realizada durante
caravana gastronômica de Ponta Grossa
O Pegaí – Leitura Grátis é uma iniciativa sem fins lucrativos, não 
governamental, criado em julho de 2013 na cidade de Ponta Grossa, 
no Paraná, e mantido por um grupo de pessoas apaixonadas por leitura 
e que acreditam que os livros não podem ficar guardados nas estantes, 
privados de serem lidos.
Idealizado pelo professor universitário Idomar Augusto Cerutti, o objetivo 
da iniciativa é incentivar o hábito da leitura. Para isso, a proposta é receber 
a doação de livros e colocá-los à disposição de novos leitores em locais 
púbicos.
Nossa missão é aproximar livros sem leitores de leitores sem livros.
As obras que chegam (por meio de doação) são separadas e registradas 
pelos voluntários do Projeto, que carimbam, colocam etiquetas e classificam 
a faixa etária. Depois disso, os livros são disponibilizados nas estantes, onde 
a população pode emprestar. Não é necessário fazer cadastro, basta encontrar 
uma estante permanente, pegar o título do seu gosto, levar para casa, ler e devolver 
nos Pontos de Coleta quando terminar a leitura.
Fotos por: Idomar Cerutti.Pegaí com foco na sustentabilidade.
Painel Elétrico que seria descartado virou
armário da proposta de Leitura Grátis


Sobre as doações de livros
Qualquer pessoa, de qualquer lugar do Brasil ou do exterior, pode doar. 
O Pegaí precisa de obras do “gênero literário” (poesia, soneto, romance, 
crônicas, contos, ensaios, entre outros), indicados para crianças, jovens 
ou adultos. Livros de estudo, técnicos, religiosos, listas telefônicas não 
são aceitos.
O Pegaí funciona com o apoio de mais de 90 voluntários e cerca de 40 
empresas e entidades dos mais diversos setores. Quem desejar contribuir 
com o Projeto, basta entrar em contato através deste formulário ou pelo 
e-mail: contato@pegai.info.

Pegaí garante acesso à leitura em Ponta Grossa
(Por: Luciane Rosas Rodrigues MTB 6541.)

Proposta disponibiliza leitura grátis em diversos pontos públicos da cidade. 








A democratização da leitura. Foi com este objetivo que surgiu em Ponta Grossa o Pegaí Leitura Grátis, iniciativa sem fins lucrativos, não governamental.  Em junho de 2013 a ideia do professor universitário Idomar Augusto Cerutti, de “aproximar livros sem leitores de leitores sem livros” saiu do papel e foi para as ‘ruas’ do município. Desde esta data, o professor vem incentivando a doação de livros literários, para que mais pessoas tenham acesso e o hábito à leitura. A partir das doações, o idealizador foi ‘montando’ estantes em locais públicos para que as pessoas pudessem emprestá-los e lê-los, a seu tempo.



E não é que a ideia deu certo. Em seu primeiro ano, o Pegaí já havia disponibilizado aproximadamente 20 mil livros a novos leitores. “Recebemos através de doações, em média, 1,6 mil livros ao mês”, exulta Cerutti, que destaca que tanto pessoas físicas, como jurídicas podem realizar doações. Hoje o Pegaí já conta com várias Editoras parceiras que enriquecem ainda mais a campanha de Leitura Grátis. “Algumas delas até já ‘adotaram’ estantes”, conta o coordenador, explicando que para adotar uma estante basta mantê-la sempre com livros.
Para dar conta de todas as doações e dos pontos de disponibilização de livros, um grupo de voluntários foi se formando, e já passa de 90 pessoas que tem um objetivo em comum: disponibilizar novas leituras, novas possibilidades, a um número cada vez maior de leitores. E para alcançar passos cada vez maiores, o Pegaí Leitura Grátis viu a necessidade – ao completar seus dois anos de funcionamento – de criar o Instituto Pegaí. “Vimos que para viabilizar novas doações e parcerias tínhamos que nos formalizar”, justifica Cerutti, destacando ainda que a entidade jurídica formalizada possibilita ainda  expandir o Pegaí em um formato de  franquia social em outros municípios – uma proposta que já está na lista de afazeres do grupo envolvido.


Além de todos os voluntários, o Pegaí conta com uma teia de empresas parceiras, sempre prontas a prestar serviços pela democratização da leitura. São produtoras, agências de propaganda, empresas de impressão, gráficas, empresas de transporte, reparadora de veículos – que realiza a restauração das estantes - e até supermercado que ajudam a manter a proposta de Leitura Grátis. “Todas estas parcerias garantem a auto-suficiência do Pegaí”, aponta seu idealizador.
Além da sustentabilidade econômica, com sua auto-suficiência, o Pegaí visa suas ações na sustentabilidade ambiental. As estantes e os pontos de coleta espalhados pelo município são todos produzidos de material de reuso, como geladeiras, computadores, caixas de frutas e até painéis elétricos antigos que seriam descartados.  O desperdício de papel também não vale. A parceria com gráficas possibilita a divulgação do Pegaí, sem desperdícios. Os marcadores de página com a proposta são produzidos por estes parceiros com o ‘resto’ dos papéis utilizados na empresa. Este material de divulgação serve ainda para mostrar o trabalho de artistas locais. “Colocamos tirinhas de diversos autores para ilustrar o Pegaí”, conta Cerutti.

Como funciona:
Para doar - Qualquer pessoa, de qualquer lugar do Brasil ou do exterior, pode fazer doações. Há inclusive pontos de coleta em outras cidades do Brasil. Para verificar a lista com estes pontos basta acessar http://www.pegai.info/#pontos-coleta. 

O Pegaí precisa de obras do “gênero literário” (poesia, soneto, romance, crônicas, contos, ensaios, entre outros), indicados para crianças, jovens ou adultos. Livros de estudo, técnicos, religiosos, listas telefônicas não são aceitos. “Nosso foco é incentivar o hábito da leitura, por isso não aceitamos este tipo de material, mais voltado aos estudos ou consultas”, explica o coordenador do Pegaí.

Para ser voluntário – Basta ter comprometimento e responsabilidade. Os voluntários podem doar seu tempo ou seu talento ao Pegaí.



Cofre literário instalado dentro da Delegacia da Receita Federal em Ponta Grossa - PR

Para ler – Os livros do Pegaí podem ser retirados nas diversas estantes espalhadas em locais públicos da cidade de Ponta Grossa. Não é necessário fazer cadastro. Para devolvê-los há as caixas de coletas, os livros não devem ser devolvidos diretamente nas estantes, já que desta maneira os voluntários ficam impossibilitados de contabilizar os números da proposta, como as devoluções.
Os livros do Pegaí são separados e registrados pelos voluntários do Projeto, que carimbam, colocam etiquetas e os classificam por faixa etária.

Assessoria de Imprensa: Luciane Rosas Rodrigues MTB 6541.
Contato: imprensa@pegai.com.br| (42) 91054605.


Mais Informações:
E-mail: contato@pegai.info/imprensa@pegai.com.br
Fone: (42) 9917- 4888.


Fotos por: Idomar Cerutti. 
A voluntária Tatiana Tome empenhada durante mutirão do Pegaí.
Nas ações, grupos de voluntários separam, 

registram e etiquetam os livros recebidos


Resumindo: O projeto tem tudo para dar certo, aliás, já deu certo. Quem puder ajudar de alguma forma, por gentileza, entre em contato através da Home Page no Facebook, E-mail ou Telefone. 

Quanto mais doações o projeto receber, mais leitores terão acesso à leitura. 

Um projeto desse porte não pode ser esquecido, pois é algo criado por pessoas cujo interesse é somente cooperar para que a Nação se torne cada vez melhor.





Maiores informações:
Nosso endereço postal é:
Projeto Pegaí - Leitura grátis
A/C.: Idomar A. Cerutti
Rua: Comendador Miró, 1399 - Centro
CEP.: 84010-160 - Ponta Grossa - PR
“Um país é feito com homens e livros.”  Monteiro Lobato.