segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Queda da Razão!



Procuras acorrentado a queda,
Do ser ontem liberto,
Pétala caída em ti amado,
Amaldiçoado, esquecido tempo,
Chama que arde em ti na maré
Imenso luar que me cobre
Manto prateado desilusão
Uivo esquecido no ar
No surdo grito da paixão
Espinhos cravados
Que me rasgam a alma,
No tudo – um nada-
Que me acalma,
No aconchego do beijo
Assim me brindas
Na margem da aura
Que da tua alma
Ainda assim emana!
 
Sírio Andrade®
In: Antologia Depressiva