quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Escolhi Amar-te XXIX




Dias há em que as longas noites se fecham em si mesmas, nas trevas apenas brilha a ténue luz do teu cansado e doce olhar, preso no meu antes de um abraço adormecido. Amei-te quando as noites se mantinham acordadas, quando a juventude do nosso amor nos permitia roubar o tempo à noite, pedir leves empréstimos ao dia que se aproximava.

Hoje, escolho amar-te a cada dia, mesmo pagando as suaves prestações das noites roubadas, dos dias corridos, no abraço em que nos abraçamos no calor do nosso cansaço!
Alberto Cuddel®