quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Poesia Estradeira



Caríssimos, segue um poeminha presente no meu novo livro, Poesia Estradeira.






Barra do Guaicuí

Há uma ruína em Minas
Uma árvore antiga abraçando uma velha igreja
Igual a outras pelo mundo
A natureza retomando seu lugar,
envolvendo suas raízes como um rio pela planície
A beleza da construção precisando se conformar
que não reina mais sozinha

Não há disputa, há complemento
Assim como razão e emoção
Ying e yang
A árvore sozinha tem sua beleza
A igreja também
Mas as duas juntas, imiscuídas, abraçadas,
tem a beleza única

de dois apaixonados se amando.