sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

"INDEFESOS LIVROS SERVINDO AOS OLHOS E SUA NUDEZ"




Abençoado seja o homem,
Que da cultura se alimentar
Viver em comunhão com a literatura
E seus conhecimentos compartilhar

Feliz é a nação que do livros fizerem sua morada
Olhos que a nada vêm, crua nudez de conhecimento 
Como a um murro imaginário oculto ao saber
O abandono das letras entregues a solidão

Eu sou o silencio palavras incompreendidas
Literatura amargurada perdida, livros sem vida
Como nestas palavras se amparar se os olhos não as tocar
À quem possa percorrer o mundo das palavras sem as ver?

Livros silenciosos indefesos se ofertando ao saber
Olhos desconhecidos cruzados que a nada veem 
Por onde anda as palavras que já não são ouvidas
Preciso seria aos livros se rebelar para a vida, vidas lhes dar
Para que os olhos da vida voltassem a se entender se amar

Indefesos livros servindo aos olhos de desvairada nudez
Dedos que tocam as palavras que não as podem ver
Multidão silenciosa, cultura entregue a solidão
Sentida ouço a voz dos livros ignorada por ingratidão 


Poeta do Sertão
30-11-2016