quarta-feira, 23 de novembro de 2016

"VOLTE PRIMAVERA"




Ninguém sabe do meu coração
Uma perdida ave solitário passarinho 
Um bruto sem lar homem sem carinho
Perdido nesta deserta e frenética imensidão 

Conto aos dias, conto as horas 
Florestas que no inverno sem sua flores chora
É o verão secando ao leito dos rios 
Sem vida põem-se a gotejar 

Ninguém sabe do meu coração
Atrasei-me perdi a flor que tanto desejei
A primavera se foi levando consigo minha flor
Enlouquecidas manhãs de inverno fechei-me em solidão

Marcados beijos de outono esquecidos 
Ecoa por entre as folhas caídas um novo pedido
Volte primavera venha florir novamente o jardim 
Deste esperançoso e humilde colibri entristecido a voar


                        Poeta do Sertão