sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

O ser sem multidões

Sempre fui um solitário
Andei na contramão de minha esfera existencial
A procura de um abrigo 
Para incendiar minha solidão.

Tentei mastigar respostas
Ao que me acompanhava.

E por não respirar as chamas
De uma vasta multidão!...

Aprendi a guardar em mim
Os caminhos para superar minhas próprias necessidades
De conquistar aqueles a quem sempre julguei
Serem indomáveis.

Hugo Paz