sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Esvazio-me…

Esvazio-me…

 

Sigo adormecido o ondular da maré,
Caio, dormente deitado sob a areia,
Sem forças para continuar assim de pé,
Sob a luz que me abraça da lua cheia!





Não sonho amores, paixões, não penso
Fico apenas assim, vazia solidão
Água que me abraça o pés, nada tenso,
movimento ritmado, perfeita exatidão!



 

- do nada, tudo, canção do mar
Pontos brilhantes, distantes, ausentes
- no fim o nada, nada a declamar
Esquecidas palavras cansadas diferentes!




Talvez pudesse ser diferente,
Talvez resultasse com a gente,
Talvez amanhã, hoje, hoje não dá!


Alberto Cuddel®