terça-feira, 27 de outubro de 2015

Chamas que me arde o peito




Chamas me pelo nome
Estas tão distante
Mas sei que ai estas
Quando leio uma frase a me chamar

Amor estas ai
Estou a te esperar
Chama-me quero te falar
Não a tempo preciso te amar

É tarde a chuva cai
Á noite avança
Traz consigo esperança
Que um dia possa te abraçar

Chamas que me arde o peito
Clama por um amor
Presente envolvente
Em ti sinto o perfume da flor

Quanto penso em ti
Perco a razão falta sensatez
Quero estar em teus braços
Outras e outra vez

Chame a mim pelo nome
Consuma-me em tuas chamas
Por ti o desejo se inflama
Entre as flores esta tara que não se acalma

À madrugada te chama
Sua ausência meu corpo reclama
Estarás dormindo que não te ouço
Como é triste as noites ser você

Chamas que me arde o peito
Amor desejos insatisfeitos
Flores solidarias a chorar
E este amor que em mim não quer se acalmar...


                     Poeta do Sertão
                        27-10-2015